• Mateus S. Santos

Crítica – 1ª Temporada de O Sangue de Zeus (Com Spoilers)

Fala Freaks! hoje venho trazer para vocês da mais nova produção da Netflix: Sangue de Zeus. A nova animação resgata a mitologia grega trazendo uma história totalmente nova. Mas já dou o aviso: Spoilers a frente!

A História

Heron, herói ferrado gente como a gente


Sangue de Zeus apresenta a história do semideus filho de Zeus (óbvio né?), Heron, que vive com sua mãe e não sabe da sua ascendência divina. Quando seu caminho se cruza com a da amazona Alexia, ele se vê em meio a uma batalha de deuses e demônios. Para começar, como fã de mitologia grega que cresceu lendo Percy Jackson, essa animação é um verdadeiro espetáculo. Não temos muitas obras que retratam de maneira "legal" a mitologia grega e eu não sei vocês, mas eu ansiava de verdade por uma obra tão legal como Sangue de Zeus. A animação bebe do mesmo modus operante de outras obras que retratam a mitologia grega, criam um herói fictício muito parecido com os próprios heróis dos mitos. Heron é o arquétipo do herói em pessoa: tem uma vida difícil, mas é cheio de boas virtudes. No começo ele vive somente com sua mãe e se esforça para proteger ela do povo da cidade onde moram, a cidade Polis, pois por conta da ascendência de Heron, Zeus enviou uma névoa para esconder o filho de sua mulher, a deusa Hera.

É aqui que série e mitologia de misturam: a deusa Hera é retratada igual a mitologia, uma deusa ciumenta que odeia as amantes de seu marido Zeus e não dispensa uma chance de matar tanto os bastardos de seu marido como as mães deles.

Inclusive para isso ela literalmente move os maiores vilões da série para ir contra Heron e sua mãe, mesmo com a intervenção constante de Zeus. Aos poucos, a história de Heron vai crescendo até se tornar de plebeu um herói completo.

Além do grande herói principal, também acompanhamos a amazona Alexia e com ela entendemos mais dos vilões da série, os demônios que são derivados dos gigantes que nasceram da batalha dos deuses contra os Titãs.

É aqui também que conhecemos o vilão da animação, o demônio Seraphin. Mais para frente sabemos que Seraphin é meio irmão de Heron e é interessante como ambos tem uma história parecida e muito influenciada pelos deuses. A motivação de Seraphin é vingança, tanto contra os deuses como contra os homens, pois quando mais novo ele viveu com sua mãe na floresta pois teve que fugir de seu tio, o atual rei de Coríntios que assumiu após a morte do antigo rei quando soube que a rainha tinha o traído com Zeus. Por conta disso a história dele se encontra com a deusa Hera, que após tantas traições de seu marido resolve que deveria matá-lo e a melhor maneira séria os antigos gigantes. A deusa então começa a tramar contra Zeus tanto para fazer os deuses do Olimpo se virar contra ele como para libertar os antigos gigantes para mais uma vez irem contra a terra e os deuses.

Nesse meio tempo, Heron vai aprendendo sobre o que é ser um herói enquanto a amazona Alexia tenta descobrir onde os demônios estão escondidos para enfim acabar com eles.

É interessante ver essa disparidade nas histórias enquanto com Heron vamos conhecendo os deuses e o Olimpo, com Alexia vamos vendo os famosos seres da mitologia grega, como o centauro Quíron, o Minotauro, entre outros.

Por trás da história

Ela e a vampira Carmilla de Castlevania podem dar as mãos e saírem andando


Além da história muito cativante, Sangue de Zeus conta com uma animação maravilhosa. Seguindo os traços parecidos com o de outras "animes" da Netflix, como Castlevania, cheio de cores vividas e bem detalhadas. As cenas de batalha são as que mais chamam atenção e nela vemos verdadeiramente o porquê de a série ser classificada como 18+. Uma coisa também que me chamou muita atenção na trama é a falta da imortalidade dos deuses, os roteiristas seguiram bastante a ideia de tragédia e isso é refletido que qualquer um pode morrer, mesmo um deus. Em certas cenas, podemos ter cenas bem fortes com dilacerações, principalmente em cenas que os personagens agonizam. Apesar de ter no roteiro da série a dupla que escreveu a horrível adaptação Death Note, a série é muito bem desenvolvida. Uma das coisas que fazem entrarmos na série logo de começo é a abertura da série que muda de acordo com o enredo do episódio dando uma breve apresentação do que podemos esperar no episódio.

Pós e Contras

A melhor lição que a série dá: não se meta com os deuses


Apesar de algumas incongruências mitológicas, a série passa bem tanto o contexto mitológico como uma trama bastante clara. Ela trás todos os arquétipos doa mitos desde a tragédia até as lições de moral. Em alguns momentos a série até tem algumas barrigas, mas nada que chegue a atrapalhar. Com oito episódios a série consegue entregar uma história simples, bem fechada e interessante. A única coisa que acabamos por não ver tanto é alguns deuses e mais elementos da mitologia e se acontecer de ter uma segunda temporada espero ter ainda mais do que a primeira temporada teve. Para aqueles como eu que estão na espera de uma futura série de Percy Jackson ou até de God of War, essa é a melhor opção!

Nota: 9 de 10 Episódio Destaque: 1x01 (A primeira batalha dos deuses contra os gigantes é fenomenal e sinceramente a série poderia ser só isso que já estava bom) Pergunta: Qual ser mitológico você sentiu falta na série?

14 visualizações

O Portal Freaks! é um canal de comunicação feito por jornalistas e colaboradores geeks.

Nosso trabalho é manter fãs e entusiastas de filmes, séries, livros, tecnologia e histórias em quadrinhos informados com notícias e críticas sérias, relevantes e aprofundadas.

CATEGORIAS!

REDES FREAKS!