• Ana Luiza Moreira

The Umbrella Academy 2ª temporada: Crítica e teorias (Com Spoilers)


Irmãos Hargreeves retornam com grande estilo nos anos 60

Na sexta-feira, dia 31, estreou na Netflix a segunda temporada de The Umbrella Academy, uma das séries mais loucas, divertidas e sensacionais do streaming. Já começo a crítica com uma opinião que pode ser considerada polêmica, mas que para a redatora aqui, é a mais pura verdade: O segundo ano da série dá uma rasteira no quadrinho de “Dallas” e é ainda melhor que a primeira temporada do show.


O interessante é que a adaptação dos quadrinhos de Gerard Way e de Gabriel Bá é muito respeitosa, já que os criadores da série usam muitas referências que aquecem os corações dos fãs da obra, como o Pogo jovem, as aulas da comissão, a história de AJ Carmichael (que tem um dos visuais mais fiéis ao dos quadrinhos) e até mesmo a trama do assassinato do Kennedy em que o número cinco tem que se enfrentar.


Mesmo tendo uma obra de inspiração, The Umbrella Academy é corajosa e aprofunda seus personagens de uma forma particular e criativa, não há palavras para descrever o desenvolvimento de Diego durante esta temporada e a importância que a história da Allison traz para série, esta última em particular, faz uma ótima analogia sobre como as pessoas pretas eram silenciadas pela opressão e foram descobrindo suas vozes aos poucos, e é isso que acontece com Allison, ela começa a perder o medo de usar sua própria voz, que também é seu poder.


O ótimo desenvolvimento de personagens não para por ai, Klaus, Vanya e Ben também ganham mais contexto e camadas, de repente passamos a entender melhor a relação de Ben e Klaus, e pelo lado da Vanya, vemos finalmente ela sendo aceita por sua família, entendendo seus poderes, lindando com seu passado, revelando sua sexualidade e ainda descobrimos que ela é a criança russa do começo da série, achei isso muito legal!


Luther e o número cinco são os que menos se destacam na segunda temporada, mas isso não quer dizer que tenham sido mal escritos ou que os atores não estejam brilhantes nos papéis, inclusive gosto do alívio cômico dos dois, é só que muita coisa estava acontecendo ao mesmo tempo e acho que ambos os personagens não cativaram tanto quanto no primeiro ano da história.


The Umbrella Academy ainda dá um show na extraordinária adição de novos personagens: como o conspiracionista Elliot, a doce Sissy, o ativista Raymond e a misteriosa Lila, que rouba a cena durante a temporada, e meus amigos, que plot twist saber da história dela. Amei do começo ao fim!


Preciso falar também que a qualidade da série mantém impecável na irreverência, no humor nonsense, na estética, na trilha sonora, na caracterização dos personagens e nos efeitos especiais, que acho que estão ainda melhores. Algumas das pequenas coisas que poderiam melhorar são: um desenvolvimento maior dos vilões suecos (precisamos honrar a memória de Hazel e Cha-Cha) e mais do Ben (principalmente no começo da temporada, esperava saber sobre o lado obscuro dele e ver seus poderes).


Teorias para a terceira temporada (ela foi confirmada? Ainda não, mas tenho esperança):


Próxima temporada de The Umbrella Academy apresenta a Sparrow Academy

Sparrow Academy


Para fazer esta crítica resolvi ler apenas os dois primeiros quadrinhos de The Umbrella Academy, para poder desenvolver minhas próprias teorias e não dar spoilers certeiros e que eu sei de fato, então mesmo sabendo que a Sparrow Academy aparece na terceira edição dos quadrinhos “Hotel Oblivion” (que eu posso ler e trazer informações relevantes para vocês caso queiram) vou dizer aqui o que acho que ela pode ser e sem influência de spoilers reais.


A palavra “sparrow” é bem relacionada com filmes de espionagem e tem grande inspiração em agentes russos que são treinados em tudo: defesa pessoal, tiro, artes marciais, tecnologia, para o controle de emoções e também na arte de seduzir. Por isso, acho que a Sparrow Academy deve ser muito mais violenta e assustadora que a Umbrella, principalmente se os outros poderosos tiverem habilidades parecidas com as de Ben (que talvez não seja tão amigável como o que conhecemos na última linha temporal).


Aliás, seja que nessa nova 2019 é a Rússia quem domina tudo?


Lila


Depois do grande plot twist de saber que Lila é mais uma dos 43 poderosos nascidos em 1989, penso que a próxima temporada será focada justamente em descobrir esses outros irmãos perdidos, que possivelmente, podem ser os próximos vilões da série. Mesmo que a gestora da Comissão tenha morrido, Lila pode ir atrás da organização por vingança e nossos heróis podem ser chamados justamente para defender o local.


Alien


Que Reginald Hargreeves era um alien nós já sabíamos, mas e quanto ao interesse dele pelo que tem no lado escuro da lua? Será que este é um dos motivos pelos quais Luther foi enviado para lá antes do começo da primeira temporada?


Pode ser uma viagem muito grande minha, mas não acho que mostrariam Reginald como alienígena se não fossem explorar mais disso, então, e se esse lado obscuro da lua tem relação com a origem dos poderes dos nossos heróis?


Talvez eles sejam a criação de uma outra raça alienígena ou até mesmo a de Reginald, mas para mim uma coisa é fato, esses humanos poderosos foram feitos com o intuito de salvar a terra para que esses alienígenas possam viver entre nós.


Diego e Vanya


Os dois personagens tem uma grande ligação nas histórias em quadrinhos, algo romântico até, mas acho que este não será o caso da série, em uma das últimas cenas da segunda temporada vemos Diego e Vanya se confortando e talvez na próxima temporada possamos assistir mais cenas desses dois se ajudando a superar os recentes corações partidos e as grandes feridas emocionais que possuem.


Harlan


No último episódio da série vemos que Harlan ainda tem poderes e talvez ele seja o ponto que fez tudo mudar a partir de 1963. O personagem pode ser apenas o estopim de tudo ou também um ponto central na próxima temporada.


Talvez Sissy consiga ir ao futuro pedir a ajuda de Vanya para ser mentora de seu filho, outra possibilidade é que o garoto seja pego por Reginald, que pode tentar treina-lo, e assim descobre como os poderes de Vanya são assustadores, o que causa grande parte do caos da primeira temporada.


Uma outra opção é que Harlan também seja uma das ameaças da próxima temporada, e assim como Vanya, pode ser responsável por causar mais um fim do mundo. Coisa que nossos heróis podem ter que tentar impedir.


Episódio Destaque: 2x06 (o jantar da Umbrella com o Reginald Hargreeves é excelente, ver os filhos juntos e lidando com os traumas do passado foi excepcional, e é nítido o quanto Diego e Luther não superaram os problemas da infância).


Nota: 9 de 10


Pergunta: Alisson e Luther/ Lila e Diego, pode ou não pode?

3 visualizações